16.8.07

Descoberta na Turquia estátua colossal do imperador Adriano

Uma equipa de arqueólogos belgas encontrou partes de uma enorme estátua do imperador romano Adriano numa escavação no sudoeste da Turquia.

Até agora, foram descobertos a cabeça, o pé e parte de uma perna e os arqueólogos esperam encontrar outras partes da estátua nos próximos dias.

De acordo com especialistas, a estátua original deveria ter cerca de 5 metros de altura. Só a cabeça mede cerca de 70 centímetros, enquanto que o pé mede cerca de 1,50 m de comprimento.
A descoberta foi feita por arqueólogos da Universidade Católica de Leuven, da Bélgica, que fazem escavações no local desde 1990. Marc Waelkens, director da escavação, afirmou que esta é "a mais bela representação" do imperador já encontrada.
Os fragmentos do monumento foram encontrados a 5 metros de profundidade em Sagalassos, uma antiga cidade localizada no topo de uma montanha.

Adriano governou Roma entre 117 e 138 d.C. e destacou-se por ser um grande conquistador. A sua obra mais famosa é a Muralha de Adriano, no norte de Inglaterra, que marcava a fronteira norte do Império Romano.

15.8.07

Pinturas e relevos podem revelar a origem dos habitantes de Çatalhöyük

As pinturas e relevos descobertos nas paredes de Çatalhöyük podem trazer uma nova luz ao estudo das rotas migratórias dos habitantes da Estação Neolítica de Çatalhöyük.
As escavações no local são patrocinadas pela Boeing e pelo Yapı Kredi e são dirigidas pelo professor Ian Hodder desde 1993. Mais de 100 especialistas em várias discipinas e arqueólogos dos Estados Unidos, Inglaterra e Polónia, também se encontram a trabalhar em laboratórios junto à estação arqueológica.
O arqueólogo Banu Aydınoğlugil destacou que a diferença mais significativa entre Çatalhöyük e os outros sítios Neolíticos, é a presença de relevos e pinturas preservados nas paredes. Disse também que em Çatalhöyük existiu planeamento urbano e uma estrutura social igualitária. "As casas em Çatalhöyük foram construídas com barro seco ao sol e tinham portas e telhados. Estavam distribuídas umas ao lado das outras e nenhuma era superior à outra, o que pode indiciar uma estruturação igualitária da sociedade. Não tinham um líder e viveram em paz."
Até agora só 5% do sítio Neolítico de Çatalhöyük foi escavado.
Um grupo de arqueólogos da Universidade de Poznan na Polónia, descobriu recentemente o primeiro local de enterramento propositadamente construído para o efeito. Segundo o Dr. Arek Marciniak: "nas paredes deste quarto vimos alguns motivos que pensamos inicialmente terem sido gravados com osso. Vimos motivos espirais que já tínhamos visto anteriormente em utensílios de cozinha. Pensamos que estes motivos nas paredes serviram de modelo para aqueles também verificados nos artefactos de cozinha." Marciniak explicou que já viram estes motivos em artefactos de cozinha na Anatólia Central. "O que importa salientar é que os objectos que têm estes motivos vão ser analisados e depois talvez se possam desenhar as rotas migratórias dos habitantes de Çatalhöyük”, acrescentou Marciniak.